Jaques Wagner recebeu R$ 78,5 milhões em propina diz Polícia Federal


Atualmente, Wagner é o secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado da Bahia


[caption id="attachment_2894" align="aligncenter" width="556"]Jaques Wagner em Bara do Choça em visita de apoio à candidatura de Oberdan em 2012 Jaques Wagner em Bara do Choça em visita de apoio à candidatura de Oberdan em 2012 (IMAGEM: reprodução Youtube)[/caption]

O ex-governador Jaques Wagner, é suspeito de receber R$ 78,5 milhões de propina e doação não declarada. O valor seria fruto de irregularidades na reforma e gestão da Arena Fonte Nova. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (26), pela Polícia Federal.


Atualmente, Wagner é o secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado da Bahia. O inquérito teve início ainda em 2013 e partiu de um estudo apresentado pela Universidade Federal da Bahia que apontou irregularidades, uma delas é que a Parceria Público Privada (PPP)  não era vantajosa para o estado.


Segundo a delegada da PF, Luciana Matutino, Wagner recebeu boa parte do valor desviado para pagar campanha. No total, o ex-governador recebeu R$ 82 milhões das empresas responsáveis pelas obras, porém até o momento foram identificados que apenas R$ 3,5 milhões, são de doações legais.


"Dos R$ 82 milhões de doação, só R$ 3,5 milhões foram declarados, pelo que apontam as investigações até agora. De acordo com as investigações a licitação da Fonte Nova foi direcionada e decidida pela governadoria. A maioria das vezes a propina foi paga em espécie", afirma a Luciana.


Além de Wagner, a PF indiciou Bruno Dauster, secretário da Casa Civil da Bahia, e o empresário  Carlos Dalton. A PF chegou a pedir a prisão preventiva dos três, o que foi negada pela justiça.  "Entendemos que deveria ter condução coercitiva hoje para que não pudessem combinar resposta.  Mas por decisão do Supremo Tribunal Federal as conduções estão suspensas. Em razão disso pedimos a prisão preventiva que foi negada pela Justiça", explica o superintendente regional da Polícia Federal na Bahia, Daniel Justo Madruga.


Nesta segunda-feira, a polícia realizou buscas na residência e no local de trabalho de Wagner. Dentre o material apreendido estão 15 relógios de luxo encontrados na casa do ex-governador. Todo o material apreendido deve ser analisado nos próximos 15 dias.


As investigações apontaram que, a obra da Fonte Nova foi superfaturada em valores que podem ultrapassar R$ 450 milhões. A licitação que culminou com a Parceria Público Privada (PPP) foi direcionada para beneficiar o consórcio Fonte Nova Participações (FNP), formado pelas empresas Odebrecht e OAS.


A Fonte Nova Negócios e Participações (FNP), concessionária responsável pela gestão da Arena, disse através de nota que aguarda informações oficiais sobre a Operação Cartão Vermelho, deflagrada pela Polícia Federal. A empresa afirmou que se coloca à disposição das autoridades para colaborar no que for preciso.


A Odebrecht, também por meio de nota, afirmou que está colaborando com a Justiça no Brasil e nos países em que atua. "Já reconheceu os seus erros, pediu desculpas públicas, assinou um Acordo de Leniência com as autoridades do Brasil, Estados Unidos, Suíça, República Dominicana, Equador, Panamá e Guatemala, e está comprometida a combater e não tolerar a corrupção em quaisquer de suas formas", informou.


VEJA TAMBÉM:

Primeira etapa de obras do Novo Aeroporto de Vitória da Conquista já foi concluída


Escolha de diretores e vice-diretores em Barra do Choça não serão mais feita através de eleições



Jaques Wagner recebeu R$ 78,5 milhões em propina diz Polícia Federal Jaques Wagner recebeu R$ 78,5 milhões em propina diz Polícia Federal Reviewed by Correio Barrachocense on fevereiro 26, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário

Facebook